Celebração: Mês das Mulheres

“Transbordamentos e Atravessamentos: o corpo da mulher sob diferentes perspectivas”.

 

Em março de 2019, no Aqui Ali Unidade Centro – Palacete Teresa,  o …Avoa! Núcleo Artístico promove atividades artísticas e pedagógicas, em encontros para reflexão sobre os temas saúde da mulher, idealização do corpo, mulher e exílio, ativismo, modos de existir: “artista e etcetera”; troca de papéis estabelecidos na dança a dois, autobiografia em criações coreográficas.

PROGRAMAÇÃO

Roda de conversa: O corpo da mulher sob diferentes perspectivas

Como o entendimento sobre nossos corpos nos permite ocupar outros espaços, ultrapassar certos limites impostos historicamente e em que medida seguimos nossos caminhos com autocuidado?

16/03/2019,  10h30 às 13h30

Local: Aqui, Ali Dança e Cultura – Unidade Centro (Palacete Teresa)

Convidadas confirmadas: Edi Cardoso, Ericah Azeviche,Vanessa Macedo.

Mediação: Luciana Bortoletto

______________________________________________

Edi Cardoso – Atriz, Doula e Fisioterapeuta com especialização em Saúde da Mulher pela Universidade Federal de São Carlos. Integrante da Companhia do Miolo, cia de teatro de rua da cidade de São Paulo desde 2005, como atriz, preparadora corporal e arte educadora. De 2014 a 2018 foi artista colaboradora no …AVOA! núcleo artístico como criadora e intérprete em dança. Atualmente compõe o quadro de professores da Oficina de Atores Nilton Travessos ministrando aulas de corpo e voz. Sua atual pesquisa além de abordar as questões de raça/cor, intersecta arte saúde como estratégias possíveis na atenção e cuidado integral.

______________________________________________

Ericah Azeviche – Bacharela em Comunicação das Artes do Corpo na PUCP, em Dança; pesquisadora; cantante; produtora no Centro de Referência da Dança de São Paulo.

______________________________________________

Vanessa Macedo – Coreógrafa e diretora da Cia Fragmento de Dança, fundada em 2002. Criou 16 trabalhos artísticos com os quais foi contemplada por diversos editais de incentivo à dança, apresentando-se em importantes festivas nacionais e internacionais. É bacharel em Direito pela UFRN, mestra em Artes pela Unicamp e doutora em Artes cênicas pela ECA – USP. Desenvolve pesquisa sobre dramaturgia em dança e autobiografia nas artes, investigando especialmente o universo feminino. Participa do “Movimento a Dança se Move” e desenvolve estudos na área das políticas culturais.

______________________________________________

Luciana Bortoletto – Coreógrafa, criadora-intérprete, pesquisadora, educadora do movimento. Dirige o …AVOA! Núcleo Artístico (2006), contemplado por prêmios e programas de incentivo para pesquisa e criação. Desenvolve trabalhos artísticos e pedagógicos, unindo a dança às linguagens fotográfica, poética, performativa. Atua de forma transdisciplinar, atravessada por questões relativas a corpo, alteridade, cidade, patrimônio, ecologia urbana, micropolíticas e poéticas cotidianas. Professora de dança contemporânea e Educação somática na Aqui, Ali Dança e Cultura, Sala Crisantempo, Centro de Pesquisa da Máscara.

Oficina de Forró

Ser conduzida à autonomia, com Juliana Freire.

23 e 24/03/2019 (Sexta e domingo), das 10h às 13h

Local: Aqui, Ali Dança e Cultura – Unidade Centro (Palacete Teresa)

Sinopse

Ser conduzida à autonomia. “não é charme, é autonomia” A proposta é encontrar e discutir através do movimento do forró pé de serra como é possível construir autonomia na dança a dois. Repensando os lugares hegemônicos de poder nas questões da condução através do olhar da conduzida. Tudo isso sob uma perspectiva feminista.

Carga horária : 6 horas

Público-alvo: mulheres que dançam forró pé de serra ou se interessem por danças a dois.

______________________________________________

Minibio

Juliana Freire vivencia o forró há mais de 15 anos e dirige o grupo de dança Terceira Categoria. Idealizou o projeto Forró das Bonita que busca fomentar, valorizar e divulgar o trabalho feminino no forró pé de serra. Mestranda em Dança pela UFBA e Bacharel em Comunicação das Artes do Corpo pela PUC-SP. Pesquisa danças brasileiras e percussão. Suas práticas se interessam no estudo do movimento e musicalidade que permita construir uma base técnica em dança que se constitui na autonomia valorizando as singularidades.

EXPERIMENTO EXÍLIA

VIVÊNCIA E MOSTRA DE PROCESSO, com Juliana Pautilla.

30/03/2019 (Sábado), das 10h às 13h

Local: Aqui, Ali Dança e Cultura – Unidade Centro (Palacete Teresa)

Público: Mulheres de toda e qualquer idade, raça, cor, gênero.

Sinopse

Exília é toda e qualquer forma de expulsão, voluntária ou não, de um território. Exilia, neologismo feminino, remete a exilada e ex-ilha, dois conceitos opostos que afirmam o sentido do exílio como criação, como espaço de desdobramentos de novas ideias, como olhar estrangeiro para o outro e consigo mesma. Uma nova vida que se anuncia, sem paraíso e sem padecimentos. Exercício artístico, feminista, social, comum e individual ao mesmo tempo. O corpo é a crise e o epicentro. Solo de Juliana Pautilla, que está em processo de criação e sendo gestado pelas artistas Juliana Pautilla (MG/SP) e Ana Luíza Santos (MG).

Vivência de Processo

Exercícios corpóreos, escrita automática e relação sonora a partir da voz e ruídos que estão sendo compostos no processo e que cada participante tenha interesse em produzir.

______________________________________________

Minibio

Juliana Pautilla Artista cênica, mineira radicada em SP. Mestre em Artes (UFMG/2013). Especialista em Sistema Laban-Bartenieff (Faculdade Angel Vianna/2015), graduada em música (UEMG/2010). Tem estudo e prática com ênfase em: direção, educação nas artes do corpo, processos de criação, corporalidade-musicalidade. Indicada duas vezes como melhor diretora em Belo Horizonte (prêmio 10º Usiminas-Sinparc e 1º Copasa-Sinparc) pelos espetáculos “Ode Marítima” (2012) e “Se essa rua fosse minha” (2014). Nos últimos anos dirigiu e fez co-dramaturgia de quatro solos de mulheres com temáticas da alteridade e feminismo: “Ciclos” (2018), “Trombo” (2017), Gavião de duas cabeças (2016) e “ Se essa rua fosse minha” (2015). Dirigiu ainda “Nós sobre nós” (Valores de Minas), “Zanzar” (Valores de Minas 2014), “Mais Alto que a lua” (Pé na rua do Galpão Cine Horto 2011), “Sua Cabeça é a Lei de Mac” (2010), entre outros. Já se apresentou em festivais nacionais e internacionais, na Colômbia, Argentina, Uruguai, Espanha, Malta, Itália, França e Alemanha.

ENCERRAMENTO

ENSAIO aberto Andar_Ilha de Luciana Bortoletto/…AVOA! Núcleo Artístico

30/03/2019 (Sábado), às 15h30

Local: Aqui, Ali Dança e Cultura – Unidade Centro (Palacete Teresa)

Ingresso: R$10

Sinopse

Um corpo no mundo tateia, com os pés, o “caminho das pedras”. Vive o intervalo entre suspensão e queda, o equilíbrio precário. Uma mulher oferta o seu próprio caminhar a um ritual: uma dança. Desvela cada passo do ponto de vista da arquitetura óssea, estrutura movente que conta sua própria história.

INSCRIÇÕES

 

Inscrições até dia 15/03/2019, ou o término das vagas

Ficha de inscrição: https://goo.gl/forms/ftVeXZlZGnQZGWxg1

Valores e forma de pagamento: Luciana Bortoletto (lbortoletto.avoa@gmail.com ou Whatsapp: 11 -998347243)

 

Certificado com  100% Participação nas oficinas

Público alvo: Interessados, com ou sem experiência anterior, com idade mínima de 18 anos.

Atenção: Usar roupas confortáveis, que permitam movimentos amplos.

 

DADOS PARA DEPÓSITO/ TRANSFERENCIA:

BANCO DO BRASIL

Luciana Bortoletto

Agência: 3560-2

Conta PJ: 27459-3

CNPJ: 23.897.710/0001-61

Contato:11-

Consulte para Sistema de Bolsas: lbortoletto.avoa@gmail.com