ŚAKTI SARAU

Em um evento informal e intimista, Padmaa celebra o encerramento de mais um ano dedicado à cultura indiana

O Padmaa Arte e Cultura – centro de conhecimento e difusão da cultura indiana, que há 22 anos promove aulas regulares de Odissi, palestras, apresentações e retiros culturais para a Índia -, realizou na unidade Aqui Ali Pinheiros, no último dia 24 de novembro, seu Śakti Sarau.

 

Na Índia, a palavra “sarau” agrega também um elemento espiritual, chamando-se Satsanga. Propriamente dito, um Satsanga é “a reunião de pessoas que comungam da mesma arte e dos princípios que regem esta arte – no caso a dança do Odissi – e a arte no seu fazer mais sublime que é o de nos conectar com a experiência do divino, nossa verdadeira natureza” – afirma Silvana Duarte, idealizadora do Padmaa Arte e Cultura  é dedicado ao estudo e à pesquisa do Odissi, estilo dança clássica indiana.

A abertura do evento se deu com uma cerimônia: um Puja tradicional, dedicado à Sarasvati, a deusa das artes na Índia. Realizada por um sacerdote brasileiro, devidamente instruído no ritual indiano, ao longo de 15 minutos, a plateia foi agraciada com seu discurso descritivo, explicando o significado de cada gesto e ação realizadas.

Na sequência aconteceu a apresentação do Odissi, a dança clássica indiana. Em um espetáculo de cores, movimentos e representações, foram 5 peças de repertório. Silvana conta que o ponto de partida para a criação foi a própria casa do Aqui Ali e a árvore, a amoreira do jardim: “isso porque a casa é sinônimo de coletividade e acolhimento. Na Índia, a árvore, assim como a casa, é uma representação do feminino – são sinônimos de Sakti – uma palavra sânscrita que significa energia feminina. Logo, pensei em fazer um Sakti Sarau que seria um encontro entre apreciadores da cultura indiana, em acolhimento na casa e sob uma árvore, celebrando essa energia de Sakti, essa energia feminina”.

 

Na Índia, os deuses Brahma, o criador Vishnu, o preservador e Shiva, o transformador, representam a tríade hinduísta. Possuem muito poder mas não podem atuar neste universo nem nesta realidade, senão por meio de sua Sakti, a anima, sua contraparte feminina. “Então pode-se dizer que Sakti é a amabilidade, a ternura, a capacidade de se comunicar pelo coração, a habilidade de trazer todas as pessoas juntas, compartilhando uma arte; também são os valores humanos contidos em todas as culturas. Sakti ganha representação nas deusas, nas diferentes representações da mãe divina no panteão hindu. No espetáculo, cada uma das peças celebrou uma mãe divina em particular e uma das peças celebrou – pra não ser um evento totalmente feminista rs – a tríade hinduísta” – conta Silvana.

Após o espetáculo, fechando a intensa noite de imersão em cultura indiana, a plateia foi servida com snacks indianos: samosa (pastel assado com especiarias), chutney de manga, suco de limão com rosas e um doce chamado gaja halawa – cenoura com coco e especiarias pulverizado por pó de pistache.

E assim encerra-se o ano de 2019 para o Padmaa e sua curadora, Silvana Duarte: preparando um 2020 ainda melhor!